Fala Servidor


16/05/2017 às 01:48:01
Nome: Benjamin
Email: benjamin.cruz62@gmail.com
Mensagem:

Como esta a questão do nosso aumento, tem alguma novidade, estamos perto do fechamento da folha.



19/11/2015 às 10:55:37
Nome: gabriel
Email: gabriel_lopesramos@hotmail.com
Mensagem:

Holerite do mês de novembro esta no sistema, pelos meus cálculos o governo repôs 3,02 % é isto mesmo? Ou 3,11%, alguém pode esclarecer?



24/09/2015 às 03:50:57
Nome: Iveth Maria Alves de Oliveira
Email: ivethalvesoliveira@hotmail.com
Mensagem:

Gostaria de saber porque o meu nome não consta no mês de aniversariante dos associados.obrigada



18/09/2015 às 10:57:35
Nome: ELISEU LUQUINE
Email: elluk0677@hotmail.com
Mensagem:

Quando será que o Sintap irá entregar os Cálculos da URV? E qual será o valor da multa imposta e recolhida pelo contador por não ter cumprido os prazos que ele mesmo estipulou?



06/07/2015 às 02:49:08
Nome: antonio
Email: barbeiro568@bol.com.br
Mensagem:

mais uma vez não publicaram minha pergunta. la vai ela de novo pq não houve paralisação quando o o indea tercerizou a inspeção? na epoca o presidente era o décio coutinho será que hoje ele viu que não funciona? é isso? alguém sabe responder e hoje os indeanos querem se mobilizar em favor do mapa? isso é no minimo engraçado



06/07/2015 às 10:34:17
Nome: MAX CAMPOS
Email: maxcamposadv@outlook.com
Mensagem:

Qual é a legalidade da URV? Já se passaram mais de 20 anos e ainda surgem duvidas, o servidor publico tem direito a diferença salarial da época da URV ? Antes precisamos entender o que seria o direito a URV e quanto isso representa de aumento no salario do servidor ?a quem isso importa ? A URV foi a unidade de conversão da transição da moeda do cruzeiro para o real, em fevereiro de 1994 os valores em cruzeiro passaram a ser expressos em URV, para tanto foi publicada a Lei nº 8.880/94. A lei então previu a partir de 1º março de 1994 a conversão com indexadores temporários, a fim de refletir a variação inflacionária daquela época. Com a conversão de valores houve uma perda considerável para os servidores públicos da época. Essa perda foi de 11,98% dos vencimentos dos servidores. Desse ano até os dias atuais não houve por parte do Governo lei ou ato administrativo que corrigisse o perda salarial incutida em 1994. Com o tempo diversos servidores públicos mundiais , estaduais e federais buscaram o direito a reparação salarial, o que foi sedimentado pelo STJ co mo direito certo (vide REsp 826.128/RN, REsp 1003485/SP e REsp 842.094/MS). Por ultimo , o STF por 9 a 0 consolidou o entendimento da perda em favor dia servidores , assim cristalino e indiscutível O direito ao URV. Vários colegas advogados já entraram com as ações nesse sentido, já havendo diversos casos procedentes e vários improcedentes , pois existe algumas observâncias legais a serem levada em consideração , tempo da função , legislação especial do servidor , data base , prescrição e outros Resta aqui a dúvida se o direito cabe também aos servidores empossados depois de 1º de março de 1994. E aqui saliento que os tribunais tem se dividido, não havendo ainda uma jurisprudência uníssona ou seja única nesse sentido. Ao contrário dos empossados dessa época, que já há jurisprudência cristalina, os empossados posteriormente o entendimento ainda é controvertido. No entanto, em Rondônia , Mato Grosso e outros Estados já tivemos decisões favoráveis a extensão de URV aos empossados depois de 01/03/94. Em decisão brilhante o Desembargador Eliseu Fernandes abriu os precedentes no Pais entendendo que o direito a reparação salarial é concernente ao cargo e não a pessoa do servidor. Portanto, segundo seu entendimento possui direito também os servidores que tomaram posse depois daquele período, como os policiais de 2005, 2010 e 2011. Em seqüência o sindicato dos servidores da justiça de Mato Grosso em decisão inédita conseguiu além da decisão favorável , e os pagamentos dos precatórios aos servidores efetivos e não efetivos . E caberia uma última indagação: o direito não prescreve? De modo algum, já é entendimento sedimentado do STJ e STF que os direitos de trato sucessivo, ou seja, pagos mês a mês, não se prescrevem por absoluto, mas, tão somente, as parcelas que anteciparem os últimos cinco anos. Dessa forma, os servidores possuem direito aos últimos cincos anos, além é claro da implantação dessa diferença. Ressalte-se que esse direito já foi conquistado por várias categorias , mas segundo levantamento de um grupo de advogados administrativos mais de 70% dia servidores públicos de Mato Grosso ainda não recorreram para receber seus valores e sua futura incorporação nos seus salários . Recomendamos aos Servidores públicos que vá atrás do seu direito, procure seu advogado de confiança e ingresse com a ação , pois além de devido se tornou real o recebimento. Esta na mídia atual o caso da URV dos servidores da assembleia legislativa de Mato Grosso, a titulo de informação ao leitor, a URV destes servidores não esta suspensa por ilegalidade e sim, alguns possíveis vícios no acordo firmado entre o Estado e o Sindicato da categoria, que possivelmente poderia existir vícios nos cálculos de alguns servidores. Assim, suspensão do pagamento de um acordo homologado judicialmente por possíveis vícios de alguns servidores já seria por si só flagrantemente ilegal , ainda o caso em tela que trata-se de inúmeros servidores que detêm o real direito e planejaram suas despesas "pagarem" por uma possível minoria, que em tese foi prevalecida por cálculos errôneos, não é de lidma justiça. Deixamos aqui uma sugestão a Presidência da Assembleia de Mato Grosso e ao Parquet Ministerial , face ao caso que necessita apurações das denuncias de vícios , do outro lado necessita-se restabelecer o direito ao pagamento servidor, façam uso do Núcleo de Mediação e Conciliação Processual do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, vários entes estão fazendo uso desta ferramenta que é célere e segura. (Alex Vieira)



24/04/2015 às 10:15:20
Nome: HOFFMAN SAYD
Email: hoffman_sayd@yahoo.com.br
Mensagem:

Bom dia, Os Servidores de Carreira da Secretaria de Desenvolvimento Econômico (sedec), através do seu sindicato (Sindes-MT)aprovaram neste mês (Abril) um indicativo de greve, caso o Governo não aprove a lei nº 10.177/2014 (Lei do Interstício), referente a progressão de nível do servidor público por sua titulação e/ou especialização.Existe a promoção vertical (nível 1 a 12) e o aumento baseado na titulação (de A a D), o que a lei do interstício determina é que o servidor não tenha que esperar três anos para ir às categorias C e D. Ou seja, a reivindicação é que o servidor possa passar da categoria B para C e D sem necessidade de esperar três anos, se ele já tiver a titulação de mestre ou doutor, que tenha a promoção automática, já há um tipo de progressão temporal de 1 a 12. Outras carreiras do Estado já funcionam dessa forma, como os servidores da Secretaria de Meio Ambiente (SEMA) e da Agência Estadual de Regulação dos Serviços Públicos Delegados do Estado de Mato Grosso (Ager). Estando o INDEA vinculado a (SEDEC), gostaria de saber se também seremos beneficiado nesta lei? Obrigado



23/04/2015 às 11:39:03
Nome: Alison
Email: acericatto@gmail.com
Mensagem:

Prezada Presidente. Favor verificar o link mencionado, pois não é possível acessar a noticia.



10/04/2015 às 09:51:14
Nome: Diany Dias
Email: sintapmt@uol.com.br
Mensagem:

O SINTAP/MT informa que, o resultado da Assembleia Geral realizada em 25 de Abril deste ano, para a Prestação de Contas do ano de 2014, consta na matéria veiculada no site, que pode ser acessada pelo link http://www.sintapmt.org.br/noticias/index.php?CategoriaCod=5&NoticiaCod=5411. A Assessoria de Comunicação veiculará mais conteúdo e o balanço completo após a finalização desse tema a ser tratado em outra Assembleia Geral remarcada para 07 de Maio de 2015, na qual também será discutida outra pauta: Reestruturação do Sistema Agrícola, Agrário, Pecuário e Florestal do Estado de Mato Grosso, em que a diretoria sindical conta com a participação dos sindicalizados em massa. (Diretoria SINTAP/MT).



09/04/2015 às 10:46:55
Nome: Alison
Email: acericatto@gmail.com
Mensagem:

Qual o resultado da assembléia do dia 07/04?



19/03/2015 às 12:41:04
Nome: Diany Dias
Email: sintapmt@uol.com.br
Mensagem:
Face à dúvida demonstrada por e-mail por parte de servidor do Sistema Agrícola, Agrário, Pecuário e Florestal do Estado de Mato Grosso a respeito de Consulta da Petição no site do Poder Judiciário quanto ao Processo da Implantação dos 11,98% da URV no Holerite do Servidor. O SINTAP/MT esclarece aos demais representados que possivelmente tenham a mesma indagação que, a entidade sindical contatou o escritório do Dr. Carlos Frederick, que presta serviço de assessoria jurídica ao sindicato, e sobre este questionamento a advogada Kalinca Inês de Almeida nos informou que infelizmente a Petição não fica exposta no referido site para consulta. De acordo com a profissional, a Petição não foi Juntada, e quando isto ocorrer, constará como Juntada de Petição do Autor, mas também não aparecerá a Petição em seu conteúdo, pois esta só pode ser consultada diretamente no Fórum onde o solicitante tem a oportunidade de folheá-la e conhecê-la. Quanto à "Juntada da Petição", conforme Kalinca de Almeida, quem faz é o próprio Poder Judiciário e o documento encontra-se no aguardo para que isto aconteça, o que, segundo Kalinca, já não depende dos advogados do escritório, pois eles solicitam frequentemente, contudo este serviço quem executa são os servidores do órgão, e alega-se a falta de servidor para tantas demandas, e os mesmos não podem dar prioridade a um ou outro processo por conta de pedidos externos, etc. Portanto, infelizmente tem-se que aguardar as demandas do órgão competente serem realizadas. A advogada acrescentou que o processo está em Fase de Conhecimento, e posteriormente vai à Fase de Execução, para finalmente ser Juntada a Petição. E, ao sair a Decisão, esta poderá ser visualizada e consultada. Diretoria SINTAP/MT.


09/03/2015 às 04:47:55
Nome: Diany Dias
Email: sintapmt@uol.com
Mensagem:

 Caros Servidores, o SINTAP/MT entrou em contato com a diretoria técnica do INDEA/MT para reiterar a cobrança a respeito do Treinamento para Afedaf's I e II. A resposta da gestão do Instituto está no link abaixo:

 

 

AFEDAF’s cobram treinamento do INDEA/MT e SINTAP/MT exige igualdade

(http://www.sintapmt.org.br/noticias/?CategoriaCod=5&NoticiaCod=5384)



Rua 6, Setor Oeste, nº 2
Bairro Morada do Ouro, Cuiabá - MT
E-Mail: imprensa@sintapmt.org.br
Telefone: (65) 3644.3747/ 3644.3775 / 98118.7557